close

Adriana Marouvo

Beleza & Bem Estar

DRENAGEM LINFÁTICA DURANTE A GESTAÇÃO

A ESTETICISTA LUIZA SIMÕES, QUE ATUA NA ÁREA HÁ 12 ANOS, DESTACA QUE A DRENAGEM LINFÁTICA DURANTE A GRAVIDEZ RESULTA NA DIMINUIÇÃO DO INCHAÇO DAS PERNAS E DA SENSAÇÃO DE PESO E CANSAÇO

LUÍZA SIMÕES É ESTETISTA GRADUADA PELA UNITRI UBERLÂNDIA/MG, E TEM EXPERIÊNCIA EM DRENAGEM LINFÁTICA HÁ 12 ANOS, SOBRETUDO, EM GESTANTES.

O aumento da produção hormonal nas gestantes gera retenção de líquidos, aumento das células adipócitas e como consequência aumenta a fibro edema geloide (celulite). Com o passar dos meses, essa retenção hídrica pode gerar certo desconforto nas mamães como inchaço nas pernas, sensação de peso e cansaço. “Para atenuar o incômodo, é possível recorrer, com segurança, à drenagem linfática. Mas sempre lembrando que, também, é necessária a liberação do ginecologista/obstetra”, explica Luíza Simões, graduada pela Unitri, em Uberlândia-MG.
Luíza Simões responde a várias perguntas sobre o assunto, esclarecendo as mais frequentes dúvidas das gestantes:

Quando devo começar?
É importante aguardar a liberação do ginecologista/obstetra. Normalmente se a mãe já tiver o hábito de drenar, pode dar continuidade na drenagem desde o primeiro mês. Caso nunca tenha feito drenagem, o mais indicado é iniciar o tratamento após o terceiro mês de gestação.

Quantas sessões devo fazer?
A quantidade de sessões irá depender de como a gestante se encontra. Uma drenagem bem feita desde o início da gestação poderá ser realizada uma vez por semana até o último mês de gestação. Caso a mãe já esteja com inchaço nos pés e pernas são necessárias drenagens duas vezes por semana até o último mês de gestação.

Existe alguma contraindicação?
Grávidas com hipertensão não controlada, insuficiência renal, trombose venosa profunda, infecções de pele e erupções cutâneas não são aconselhadas a realizar este procedimento. Porém, sempre seguimos a autorização do obstetra, assim é possível realizar um tratamento seguro e eficaz, sem provocar nenhum tipo de dano a paciente.

Quanto tempo após o parto a mulher pode fazer uma sessão de drenagem linfática? Ajuda o corpo a voltar nas medidas de antes da gravidez?
No período pós-parto, a drenagem linfática trabalha como um auxiliar para o retorno da forma anterior do corpo, atuando na diminuição da retenção de líquidos, prevenção de celulite e na estimulação do metabolismo. É importante entender que a drenagem não deve ser utilizada como elemento único para processos de emagrecimento, sendo necessário também o acompanhamento de uma nutricionista especializada.

Contato:
LUÍZA SIMÕES ESTÉTICA
Av. 17, 498, Gruta – Orlândia
Tel.: (16) 9.8270-7798

Leia Mais
Matéria de Capa

FAZENDO O BEM

Os direitos humanos, o amor ao próximo e a unidade nos lares podem ser a chave para uma sociedade melhor

Mãe é sinônimo de amor. O amor de mãe é imensurável, algo que vem de dentro, do mais íntimo. Mãe ama, cuida, perdoa e se doa sem esperar reciprocidade. Na linha desse sentimento materno, aproveitamos o tema para abordar o amor ao próximo, com a oportunidade de um bate papo com a Gestora Municipal de Assistência Social de São Joaquim da Barra, Adriana Ap. Pereira Ceribelli, que atua no cargo há 7 anos e acumula experiência de 24 anos como Assistente Social. Esposa do advogado Dr. Roni Ceribelli, mãe de três filhos, Bruno, Clara e André, Adriana tem um olhar sensível quanto às questões e necessidades sociais e gerencia os vários projetos e serviços da Assistência Social do Município joaquinense.

 “Sempre fui ligada as organizações políticas, administrações públicas e às questões dos direitos humanos. Quando eu era criança me chamava muito a atenção quanto as diferenças sociais nas escolas em que eu frequentava. Antigamente não era muito comum escolas particulares, por isso nas escolas públicas estudavam crianças de todas as classes sociais. Eu tinha colegas milionários e outros muito pobres. E eu observava muito as diferenças de vestuário, calçados, objetos escolares, quem levava lanche de casa, ou comprava na cantina, ou quem nem levava e nem comprava o seu lanche. Tudo isso me chamava atenção. Desde muito cedo eu já tinha meus questionamentos perante essas situações”, comenta a gestora municipal, que também já trabalhou como Assistente Social na Santa Casa de Misericórdia de São Joaquim da Barra e na Fundação Casa em Ribeirão Preto.

A história da Assistência Social começou com as igrejas, as quais desenvolviam um trabalho de doações e campanhas realizadas por mulheres religiosas da sociedade que se reuniam para doar roupas e alimentos para as famílias mais carentes. Dentro disso, alguns estudiosos observaram essas diferenças sociais e verificaram a necessidade de se ter um trabalho exclusivo para sanar esses problemas da população mais pobre.

Hoje existe uma estrutura política e governamental dentro da Assistência Social. Há um Ministério do Governo Federal que trabalha para garantir os direitos de toda a população. “Toda pessoa, assim como tem direito a educação, saúde, lazer, também tem o direito à assistência social. Infelizmente ainda não conquistamos um percentual do orçamento público voltado só para financiar as políticas de assistência social, assim como tem o setor da educação e da saúde. Na verdade, esse é o nosso maior sonho. Contudo, já observamos uma boa melhora. Hoje temos um Conselho Nacional, Estadual e Municipal de Assistência Social que trabalha para lutar junto ao Ministério tanto para melhorar as políticas voltadas para a população como também para melhorar a condição de trabalho do profissional que atua nessa área. Felizmente tivemos governantes que olharam para a assistência social não só como a possibilidade de conseguir votos para a próxima eleição com ações meramente assistencialistas, mas com um olhar de quem quer resolver de fato os problemas sociais através de políticas públicas mais efetivas”, explica Adriana.

O serviço público municipal tem um órgão gestor de assistência socialpara atender a população. Esse setor trabalha com um cadastro único para programas sociais do Governo Federal, cujo carro chefe é o programa Bolsa Família, que é um programa de transferência de renda. Há ainda assistentes sociais que atuam junto à população para atendimento de outras reivindicações como cestas básicas e outros. Em São Joaquim da Barra há também muitas famílias que se beneficiam com cestas de frutas e legumes, que são pessoas com problemas de saúde, dentre elas, pacientes que fazem tratamentos contra o câncer. Além de isenção de IPTU e um programa de distribuição de leites. Contudo, a assistência social é muito mais que isso. Adriana enfatiza que “a assistência social é muito ampla e vai muito além de entregas de cestas básicas. É necessário alimentar a pessoa que tem fome por se tratar de uma questão de sobrevida. Sobretudo, é de extrema importância termos a consciência de que tais problemas precisam ser resolvidos na fonte, na qual, em sua grande maioria, é a família. Fazemos um trabalho com o CRAS e o CREAS que atua dentro dessa necessidade”.

O CRAS é o Centro de Referência de Assistência Social que atua junto à população vulnerável, na prevenção contra os riscos sociais, que são evasão escolar, desemprego, uso de drogas, dentre outros, problemas que quando chegam dentro dos lares podem desestabilizar as famílias. Profissionais realizam atendimento, acompanhamento, grupos e visitações com o objetivo do fortalecimento de vínculos familiares, além de desenvolver diversas atividades socioeducativas. Os profissionais da equipe técnica, que são os assistentes sociais e psicólogos, atuam nesses grupos, não para formação deles nessas atividades, mas como interventores para as questões sociais a que eles são acometidos. O público prioritário são os que recebem o Bolsa Família. Dessas situações de risco para uma perda é apenas um passo, por isso a importância de orientar, acompanhar essas famílias para que não se percam nesses riscos que existem dentro da sociedade”, explica.

Já o CREAS, que é o Centro de Referência Especializada de Assistência Social, atua nas questões de violação de direitos. Toda pessoa que tem seus direitos violados é público do CREAS, por exemplo, adolescentes que abandonaram a escola, ou adolescentes que cometem atos infracionais, outros como violência sexual, violência doméstica, abandono e negligência contra idosos, etc. “Infelizmente, hoje em dia é muito comum pais que perdem a autoridade perante seus filhos. Quando eles atingem por volta dos 13/14 anos, começam a faltar da escola violando seus próprios direitos, contudo, é importante ressaltar que é dever dos pais manterem seus filhos na escola até o Ensino Médio. Em todos os casos, as técnicas fazem atendimentos individuais ou em grupo, trabalhos de orientação com as famílias, tentando reinserir na escola ou encaminhar para algum trabalho. Todos esses atendimentos são realizados independente da questão financeira”, diz a gestora.

Muitos problemas que estão dentro da sociedade são causados porque as famílias estão “adoecidas”. Hoje, com a evolução tecnológica e a rapidez da internet, há um grande individualismo dentro dos lares. “As reuniões familiares são importantes e geralmente o momento que conseguimos reunir a família é em volta da mesa, seja do café, do almoço, ou do jantar. Com isso, algumas atividades socioeducativas que fazemos em grupos são na área da culinária e elas dão muito certo. Orientamos as mães a reunir a família. Muitas mães reclamam que os filhos podem até estar em casa, mas um no quarto assistindo TV, outro no computador, outro no celular, assim o diálogo está cada vez mais curto. Às vezes existem cinco ou seis pessoas que moram na mesma casa, mas que não conversam entre si. Esta falta de harmonia dentro de casa, muitas vezes leva os filhos ao uso de drogas, depressão dos pais, espancamento, rebeldia dos filhos com os pais e falta de autoridade dos pais com os filhos. A tolerância é mínima e essa velocidade da internet não é a mesma no mundo real, por isso as pessoas fantasiam uma vida que não existe. É indispensável trabalhar, principalmente com o público jovem a diferença entre o mundo real e o virtual. Com um clique, na internet é possível viajar de país a país e muitas vezes o jovem deseja que a vida real também seja assim nesta rapidez, com isso, muitos pais se perdem nessa questão. No CRAS nós temos um trabalho muito especial que chama-se Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, para restabelecer e fortalecer essas relações nos lares. Nós não podemos nunca desistir das famílias”, frisa.

Adriana com o esposo Dr. Roni Ceribelli

 

Com os pais Sr. Luiz Alberto e Maria Aparecida
Com os filhos Bruno, Clara e André

Como gestora, Adriana diz ser uma tarefa árdua gerenciar todas essas questões dentro da Assistência Social, porém, confessa que ama o que faz e, sobretudo, se alegra em poder contar com uma equipe que trabalha com afinco para tentar atender as necessidades das pessoas. “O maior sonho de nós profissionais desta área é a justiça social. Não posso dizer que conseguimentos resolver o problema de todos, até mesmo porque não existe uma receita, mas conseguimos dar subsídios para que eles consigam chegar às soluções para os seus próprios problemas, vamos mostrando seus direitos, como requerer um benefício, orientando também quais são os seus deveres, enfim, indicando o caminho”, enfatiza Adriana.

A assistente social ainda destaca que o respeito aos direitos humanos, o amor ao próximo e a unidade nos lares é a chave para uma sociedade melhor. Mesmo sendo um trabalho de grandes desafios, o apoio da família e da equipe torna-o recompensador. “Graças a Deus fui privilegiada em ter uma família que me apoia muito, principalmente meu esposo e meus filhos. Nossa equipe está sempre disposta, fazemos muito com pouco para levar esperança e incitar sonhos. Sou muito grata também pela confiança que a administração pública depositou em mim e pelo apoio que recebo por parte do executivo municipal. E também não posso deixar de dizer que, o que sou hoje, devo aos meus pais, Luis Alberto, que hoje mora no céu, e Maria Aparecida. Eles me ensinaram os valores que tenho hoje e me deram uma educação baseada no amor e no respeito ao próximo”, conclui.

Leia Mais
Saúde

CUIDADOS COM A PELE NA GRAVIDEZ

DURANTE A GESTAÇÃO OCORREM MUITAS ALTERAÇÕES NO CORPO DA MULHER. ESTRIAS, MANCHAS, ACNE E QUEDA DE CABELO SÃO AS PRINCIPAIS QUEIXAS DAS MAMÃES. CONVIDAMOS A MÉDICA DRA. FLÁVIA BERNARDO DOJAS SPEDICATO, ESPECIALISTA EM DERMATOLOGIA CLÍNICA E ESTÉTICA PARA DAR ALGUMAS DICAS DE COMO AMENIZAR ESSES CONTRATEMPOS

No período gestacional o corpo da mulher está sujeito às inúmeras alterações que são comuns neste momento, porém, existem estratégias para viver esta fase evitando seus contratempos e assim garantir muito mais beleza às futuras mamães.

As estrias, que podem aparecer em diversas áreas do corpo, mas principalmente no abdome e o aparecimento de manchas escuras na face são as principais queixas. Outras gestantes também relatam o aparecimento de acne no rosto, nas costas, nos ombros e na área do colo; e há quem se queixa da queda de cabelo, do inchaço nas pernas e do aparecimento das varizes. Porém, o maior vilão dessas lindezas é desconhecer alternativas para melhorar, amenizar e até mesmo tratar estas desordens que só contribuem para aumentar a ansiedade desse período.

“Atualmente existem linhas de tratamento com o foco na saúde da pele da gestante. Uma marca de excelência em nosso mercado é a ADCOS, uma empresa nacional e de credibilidade entre a classe dos Dermatologistas, e o mais importante, ela desenvolve produtos específicos para as peculiaridades da pele brasileira. A marca possui também um excelente hidratante para ser usado durante as fases da gestação e após o parto, o ELASTCREAM. Ele nutre, restaura a elasticidade, previne rachaduras na área dos seios e as indesejáveis estrias”, explica Dra.  Flávia Bernardo Dojas Spedicato, médica, com especialização em Dermatologia Clínica e Estética.

Dra. Flávia ainda frisa que é indispensável o uso diário de filtro solar. A grande variedade de produtos acaba trazendo dúvida e confusão na hora de escolher qual usar, porém, a médica deixa algumas dicas para facilitar a escolha:

  • Pele normal, sem oleosidade em zona ‘’T’’: Episol Mit, ADCOS Filtro Solar Ultra, Anthelios Fluid XL.
  • Pele mista, com oleosidade em zona ‘’T’’: Minesol oil control, ADCOS Filtro Solar Fluid Peles Oleosas e Acneicas, Anthelios AE.
  • Pele oleosa: ADCOS Filtro Solar Fluid Peles Oleosas e Acneicas, Episol sec, Anthelios Airlicium, PAYOT City Care.

 

“Além do protetor solar, acessórios como chapeu, bonés, guarda-sol e sombrinha também ajudam bastante na proteção contra os raios UV”, afirma.

E as manchas? Só o protetor para preveni-las ou tratá-las? A resposta é NÃO!

Segundo a especialista, existe um ácido que pode ser administrado com segurança, o ácido azelaico, recomendado para ser aplicado na face antes do protetor solar. Ele atua como clareador leve e auxilia muito na prevenção da acne gestacional, por causa da sua ação antioxidante e anti-inflamatória tópica na pele.

“Ressalto que é crucial o acompanhamento regular por meio do pré-natal para garantir a gestação saudável. Os exames laboratoriais pedidos pelo Ginecologista/Obstetra auxiliam no estudo de algumas queixas como, por exemplo, a queda de cabelo, pois avaliando o resultado da dosagem do Ferro pode-se concluir uma correlação da carência desse mineral e diminuição dos fios no couro cabeludo. Sendo assim, de acordo com a conclusão dos exames, tanto o Dermatologista, quanto o Clínico e o Ginecologista/Obstetra podem conduzir a suplementação dos minerais em carência e tratar a queixa capilar”, explica Dra. Flávia.

Caminhada, hidroginástica, evitar longos períodos em uma mesma posição são informações úteis para melhorar o sistema circulatório. A alimentação balanceada, o consumo diário de muita água são opções saudáveis que também podem contribuir para afastar o edema, ou inchaço das pernas e o surgimento das varizes.

É importante as mamães se informarem por meio de rede de comunicação segura e responsável e terem cuidado com algumas propagandas cujo interesse é vender seus produtos a qualquer preço. Fazer o pré-natal corretamente garante a saúde da mamãe e do bebê. No caso de dúvidas não deixe de procurar por um profissional da área da saúde!

DRA. FLÁVIA BERNARDO DOJAS SPEDICATO É GRADUADA EM MEDICINA PELA FACULDADE DE MEDICINA DE CATANDUVA, EM MEDICINA DO TRABALHO E EM PERÍCIA MÉDICA E ÁREAS DA SAÚDE PELA FAMERP. É AINDA GRADUADA EM DERMATOLOGIA CLÍNICA PELA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS – FCMMG/ISMD E EM DERMATOLOGIA ESTÉTICA FACIAL PELO INSTITUTO FLÁVIA DINIZ/SP

Leia Mais
1 2 3 4
Página 4 de 4